Em favor da representatividade

Toda a história da humanidade parece sugerir que a Arte é algo importante para o Homem; estamos, bem ou mal, a influenciar e ser influenciados o tempo todo por ela. Sem Madame Bovary, talvez Machado de Assis nunca viesse a ser quem foi. Nós, então, já não seríamos quem somos, nem o Brasil o que é. Se um autor tem tanta importância para um país, creio ser possível afirmar que os filmes que assiste uma menina, e também os livros que ela lê, moldam quem ela será ainda mais.

Admito antes que me acusem: nunca fui de me importar com as características físicas de protagonistas em filmes. O protagonista ser negro, mulher, homossexual, nunca me fez gostar menos, ou mais, de um filme. O que não quer dizer, porém, que não há valor nisto para tantos outros. Ora essa, se feministas clamam por representatividade, é evidente que não o fazem por teimosia. Não consiste a empatia justamente em entender aquilo que não lhe é pessoal?

Pois bem, agora, se concordamos na influência que tem a arte sobre uma pessoa, e conseguimos enxergar além de nossa própria angústia, prossigo.

Ainda em 1869, o filósofo britânico J. S. Mill argumentava contra leis que diminuíam a mulher. Acontecia do sexo feminino não ter os mesmos direitos constitucionais que tinha o masculino. O mundo mudou. Ninguém há de afirmar que existem empecilhos legais no Brasil contra o livre acesso da mulher a qualquer posição social.

A igualdade legal entre os gêneros, junto à lenta e gradual desconstrução do machismo, fez com que mulheres hoje tenham poder aquisitivo que outrora jamais tiveram. A demanda por conteúdo que apresente mulheres fortes, independentes, naturalmente cresce. Entra o capitalismo; onde há demanda, há oferta.

Cada vez mais meninas são inspiradas, por filmes e livros, a seguirem profissões que antes apenas homens tinham acesso. 

É possível, sim, que exista alguma atração natural a certas profissões, a depender do sexo do indivíduo. Porém, à medida que modelos femininos são mais plurais no mundo da arte, a diferença percentual de homens e mulheres em certas profissões, historicamente associadas a um dos sexos, diminui. O que indica que a inclinação natural dos sexos, se existente, não é o status quo.

Não sei o que pensa o leitor, mas não posso deixar de odiar a ideia de que, agora mesmo, uma menina genial não se formou cientista – seus pais pensam que ciência é coisa de menino -, e a cura de uma doença deixou de ser descoberta por isto.

Sob qualquer perspectiva, ter modelos femininos e mudar a percepção social a respeito de certas profissões é positivo. Nada se perde; o potencial ainda há de ser calculado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: